Após a conclusão o inquérito foi encaminhado para análise da justiça

A polícia concluiu que o aquecimento das câmaras frias foi responsável pelo incêndio ocorrido na Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais do Estado de São Paulo (Ceagesp).

De acordo com o delegado responsável pelas investigações, Dinair José da Silva para o G1, o local também possuía fiação antiga.

Além disso, diversos outros fatores contribuíram para que as chamas se espalhassem tão rapidamente e causassem uma enorme nuvem de fumaça escura.

O local de mais de 40 anos não contava com detectores de fumaça e demais equipamentos responsáveis pelo combate a incêndios.

No dia 23 de junho a Ceagesp sofreu com um incêndio de grandes proporções. As chamas do acidente puderam ser vistas a quilômetros de distância.

Para controlar as chamas foi necessária a presença de diversas unidades do Corpo de Bombeiros e cerca de 30 homens.

Duas horas de trabalho foi o tempo utilizado para controlar o incêndio que abrigava 30 boxes com frutas, legumes e verduras.

Felizmente o ocorrido não contou com vítimas. No entanto os comerciantes que utilizavam o galpão como aluguel para disponibilização dos produtos sofreram com o prejuízo das perdas.

O galpão teve a estrutura condenada pela Defesa Civil, que constatou a necessidade de demolição da estrutura.

As câmaras frias

As câmaras frias auxiliam na conservação de algumas cargas. Sua utilização permite uma baixa refrigeração entre 0°C e 18°C.

Por meio desses equipamentos também é possível congelar produtos que necessitem de temperatura abaixo de 0°C.

As câmaras são duráveis, no entanto necessitam de manutenção e cuidados regulares. Dessa forma é garantido que elas funcionem corretamente.

O processo de manutenção é essencial para prolongar a vida útil do equipamento, preservar seu desempenho e economizar energia.

A manutenção preventiva é o segredo para evitar prejuízos nas mercadorias e até mesmo nas próprias máquinas.

A higienização periódica também é fundamental para conservar todas as funções desse equipamento de alta tecnologia.

Como qualquer equipamento, seu funcionamento incorreto pode ser responsável por prejuízos futuros. Nesse caso: danos nos produtos armazenados.

Em casos críticos, como o incêndio na Ceagesp, o mau funcionamento do equipamento pode superaquecer e combinado com demais fatores agravantes causar curtos e incêndios.