O Programa Oficinas Culturais realiza, durante o mês de agosto, oficinas online sobre diferentes temáticas. A participação é gratuita e as inscrições podem ser feitas por meio dos links disponibilizados para cada oficina.

O projeto é realizado pelo Programa Oficinas Culturais, da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Governo de São Paulo, gerenciado pela Poiesis – Organização Social de Cultura e tem apoio da Secretaria de Cultura de Bauru.

A programação completa de oficinas gratuitas pode ser vista em http://poiesis.org.br/maiscultura. As formações culturais já gravadas podem ser assistidas em https://www.youtube.com/OficinasCulturaisdoEstadodeSaoPaulo.

Acompanhe a programação:

  • Oficina de pinhole
    A oficina tem coordenação de Emerson de Souza. A atividade ocorre no dia 6 de agosto, das 14h às 16h. São disponibilizadas 40 vagas para um público com idade acima de 16 anos e a seleção será feita pelos primeiros inscritos. As inscrições ocorrem até o preenchimento das vagas, por meio do link https://forms.gle/uacSJPjBQUtRsYTY9.

A oficina propõe explorar os princípios básicos da fotografia, a partir da construção de uma câmera pinhole, uma câmera fotográfica artesanal que dispensa o uso de lentes para fotografar. Durante a oficina, os participantes serão convidadas a experimentar desde a preparação da câmera para fotografar até os processos de revelação e fixação das imagens.

Emerson de Souza é formado em comunicação social, com especialização em Gestão de Comunicação pela Universidade de São Paulo e Mídias na Educação pela Universidade Federal de Pernambuco. Atualmente pesquisa e desenvolve trabalhos fotográficos, utilizando os processos históricos e artesanais da fotografia como recurso pedagógico.

  • Reencontro para o letramento racial crítico
    A oficina tem coordenação de Janaína Machado. A atividade ocorre no dia 13 de agosto, das 14h às 17h . São disponibilizadas 100 vagas para um público de educadores, mediadores e interessados acima de 16 anos, e a seleção será feita pelos primeiros inscritos. As inscrições ocorrem até o preenchimento das vagas, por meio do link https://forms.gle/FcHXNHEfdokxtPgU8.

A oficina tem como objetivo fomentar reflexões sobre as práticas de educação em prol de uma educação antirracista em interface com o campo das artes visuais. Com foco no eixo educacional das Instituições Culturais, o encontro visa promover troca de saberes sobre os desafios e as estratégias para a construção de perspectivas em educação e arte educação sob a ótica do campo das relações étnico-raciais visando uma reeducação para as relações étnico-raciais equânimes.

Janaína Machado é educadora, pesquisadora e poeta. Estuda o pensamento político negro dos Racionais e as poéticas políticas da negritude no contexto da arte contemporânea no Programa de Estudos Étnico e Africanos-Pós Afro pela Universidade Federal da Bahia.

  • Oficina: A prestação de contas e o projeto – Proac lab e editais
    A oficina tem coordenação de Vanderléia Barboza. A atividade ocorre em duas turmas. Os encontros da turma A ocorrem nos dias 16, 18 e 19 de agosto, das 14h às 16h, enquanto os encontros da turma B ocorrem nos dias 24, 26 e 31 de agosto, das 18h às 20h. São disponibilizadas 30 vagas por turma para um público de artistas, produtores culturais e demais interessados que tiveram os projetos aprovados no Proac Lab ou inscreverão projetos culturais nos editais do ProAC Expresso. A seleção será feita por meio de análise da ficha de inscrição. As inscrições ocorrem até o dia 3 de agosto, por meio do link https://forms.gle/hw4FuCazVddomhrJ9.

A oficina é composta por um guia prático para facilitar a apresentação da prestação de contas do Proac Expresso Lab e editais com observações e dicas que também poderão ser aplicadas em outros editais. Terá, ainda, a indicação de um roteiro para ajudar na pesquisa com situações que normalmente os proponentes encontram mais dificuldade, tais como planilha orçamentária e legislações que amparam esse processo de prestação de contas. A oficina está adaptada às novas informações e exigências dos Formatos do ProAc 2020/2021.

Vanderléia Barboza é graduada em letras e pedagogia, gestão cultural, educomunicação e educação comunitária pela USP e especialista em Projetos Sociais – Gestão e Perspectivas pelo Senac. É articuladora de interlinguagens de arte no diálogo com a literatura. Teve projetos premiados no ProAC na área de Saraus Culturais, Trabalhos em Bibliotecas Públicas, Economia Criativa, Território das Artes (Manutenção de Espaços) e Festivais de Arte.

  • Oficina: Histórias e canções: A confecção de brinquedos e instrumentos musicais
    A oficina tem coordenação de Fernanda Munhão. A atividade ocorre em duas turmas. Os encontros da turma A ocorrem nos dias 17, 19, 24 e 26 de agosto, das 14h às 16h, enquanto os encontros da turma B ocorrem nos dias 18, 20, 25 e 27 de agosto, das 14h às 16h. São disponibilizadas 80 vagas por turma para um público de educadores, mediadores e interessados acima de 16 anos, e a seleção será feita por meio de análise na ficha de inscrição. As inscrições ocorrem até o dia 4 de agosto, por meio do link https://forms.gle/ANDTaiX1uypnwPzv6.

A oficina permite mergulhar na cultura popular através da confecção de brinquedos e instrumentos musicais com material reciclado. Durante o processo, será destacado a importância do brincar no universo infantil, as diferentes brincadeiras em várias partes do mundo, além da ampliação de repertório de brincadeiras cantadas, histórias, parlendas e trava-línguas. Em toda a atividade prática, haverá um embasamento teórico de cada ação, a fim de compreender a sua finalidade e os benefícios para o ser humano.

Fernanda Munhão é graduada em jornalismo, letras, pedagogia, é especialista em literatura e contação de histórias, literatura e ensino, e o uso estratégico das tecnologias em informação. Também é mestre em Literatura pela Unesp. Atuou durante 17 anos em sala e aula e hoje é professora de pós-graduação na arte de contar histórias. É escritora e contadora de histórias, atuando em todo o País.

  • Eutonia: O autocuidado na dança através da prática corporal
    A oficina tem coordenação de Claudia Palma. A atividade ocorre em duas turmas. O encontro da turma A ocorre no dia 17 de agosto, das 18h às 21h, enquanto o encontro da turma B ocorre no dia 24 de agosto, das 14h às 17h. São disponibilizadas 50 vagas por turma para um público de educadores, mediadores e interessados acima de 16 anos, e a seleção será feitas pelos primeiros inscritos. As inscrições ocorrem até o preenchimento das vagas, por meio do link https://forms.gle/mSWyjSFejKdLYZxP7.

A atividade pretende abordar a dança através da Eutonia, uma prática corporal, cujo objetivo é o desenvolvimento e a ampliação da percepção e da consciência de si através do corpo. O objetivo da oficina é oferecer ao participante uma vivência e experiência corporal onde ele possa ter contato com a prática, proporcionar um encontro de troca de conhecimento sobre a possibilidade do autocuidado e experimentos investigativos na dança e outras linguagens.

  • Mediação virtual: Ferramentas para expandir as fronteiras da arte
    A oficina tem coordenação de Cristina Fernandes e Luiz Gonzaga. A atividade ocorre no dia 20 de agosto, das 14h às 17h. São disponibilizadas 40 vagas para um público de estudantes, artistas, educadores, pesquisadores e interessados em geral a partir de 16 anos, e a seleção será feita pelos primeiros inscritos. As inscrições ocorrem até o preenchimento das vagas, por meio do link https://forms.gle/EbiJHcnzF5HTy48A7.

A oficina tem como objetivo discutir como realizar a mediação cultural no meio virtual, quais as mediações possíveis, como acessar a cultura e quais relações são construídas no online. A partir do compartilhamento de experiências e de percursos mediados, busca-se apresentar possibilidades educativas para se trabalhar o espaço do museu e da arte para além do espaço físico das instituições, realizando um panorama de visitas mediadas virtuais em alguns museus do Brasil e da América Latina.

  • Yaser e um lugar chamado palestina
    A oficina tem coordenação de Eda Nagayama. A atividade ocorre no dia 24 de agosto, das 18h às 21h. São disponibilizadas 100 vagas para um público de interessados com idade acima de 16 anos e a seleção será feita pelos primeiros inscritos. As inscrições começam do dia 5 de agosto e seguem até o preenchimento das vagas, por meio do link https://forms.gle/YBw1YqV6CJKbmo5k6.

O livro Yaser foi escrito após um período de três meses em 2016-2017 de observação dos direitos humanos na Cisjordânia, Palestina. A obra, em edição português-inglês, adota a perspectiva de um camponês para se aproximar e narrar eventos da realidade da ocupação israelense desde a Guerra dos Seis Dias, em 1967. De forma breve e acessível, utilizando imagens e informações coletadas em campo, o encontro contextualizará o conflito Israel-Palestina e abordar o processo de escritura que toma como base a experiência e o testemunho, considerando questões literárias, como estilo e ponto de vista narrativo, bem como ético-sociais, como posição de fala e vocalização das vítimas silenciadas.

  • Workshop de colagem
    A oficina tem coordenação de Moara Tupinambá. A atividade ocorre nos dias 26, 27 e 31 de agosto, das 10h às 12h. São disponibilizadas 50 vagas para um público de jovens e adultos e a seleção será feita por meio de análise da ficha de inscrição. As inscrições ocorrem entre os dias 28 de julho e 15 de agosto, por meio do link https://forms.gle/a3gyG1hFvGMA7Psf6.

Para participar é necessário ter instalado no computador os softwares ou o material físico à disposição, como máquina fotográfica ou aparelho celular com câmera.

O workshop pretende apresentar os processos criativos da artista, suas inspirações, pesquisa e a importância da técnica da colagem para a construção de sua poética da série “Mirasawá”. Os encontros virtuais também tem como objetivo discutir como a colagem pode provocar a conexão com a memória, história e ancestralidade, como a artista vem desenvolvendo trabalhos colaborativos com pessoas indígenas na construção da arte da colagem, como o participante pode elaborar sua própria colagem a partir da própria identidade e como utilizar a colagem na publicidade.

ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO
PREFEITURA DE BAURU