O Instituto Trata Brasil divulgou o levantamento que revela as más condições do esgoto de Bauru. De acordo com os resultados apenas 1,77% do esgoto é tratado na cidade, dado que informa a carência de grande parte da população que não é atendida pela Estação de Tratamento Candeia, localizada no Núcleo Gasparini.

Os moradores dos demais bairros têm seus dejetos despejados no Rio Bauru e seus afluentes. No entanto, as tarifas pagas pela população incluem taxas de água e esgoto que deveriam estar sendo reinvestidos no sistema de saneamento.

Grande parte dos bairros bauruenses ainda não contam com tratamento de esgoto. Foto: TV TEM/Reprodução

O descaso faz com que moradores do Parque Industrial Manchester ainda utilizem fossas o que resulta no escoamento da água para a rua. E apesar disso a mudança para o tratamento adequado do esgoto ainda não tem previsão de chegar à região.

As obras que iniciaram em 2015 e pelo prazo já deveriam estar prontas, estão atrasadas. Por conta disso muitos moradores ainda não veem a cidade tratando o esgoto 100% e evitando danos ao meio ambiente.

A CEI (Comissão Especial de Inquérito) foi criada na Câmara Municipal com intuito de investigar os atrasos na execução da obra de mais de R$140 milhões. Depoimentos dos representantes da construtora foram ouvidos e as informações são de que  os erros no projeto já haviam sido comunicados à prefeitura.

O projeto contou ainda com mais de 1,2 mil alterações em sua execução. No entanto nenhum representante da empresa responsável pelos projetos compareceu à terceira rodada de depoimentos para esclarecer o ocorrido.

            As informações são de que uma empresa será contratada para acompanhar o andamento das obras. Fora ela, o Ministério Público também observa as obras a fim de manter o prazo em dia.